Enem 2018: trecho de ‘Crítica da razão pura’ motiva questão de filosofia

Dica por Jean, professor de Filosofia do Século Colégio e Curso

Até hoje admitia-se que nosso conhecimento se devia regular pelos objetos; porém, todas as tentativas para descobrir, mediante conceitos, algo que ampliasse nosso conhecimento, malogravam-se com esse pressuposto. Tentemos, pois, uma vez, experimentar se não se resolverão melhor as tarefas da metafísica, admitindo que os objetos se deveriam regular  pelo nosso conhecimento.

KANT, I. Crítica da razão pura. Lisboa: Calouste-Gulbenkian, 1994 (adaptado).

O trecho em questão é uma referência ao que ficou conhecido como revolução copernicana

na filosofia. Nele, confrontam-se duas posições filosóficas que:

  • A) assumem pontos de vista opostos acerca da natureza do conhecimento.
  • B) defendem que o conhecimento é impossível, restando-nos somente o ceticismo.
  • C) revelam a relação de interdependência entre os dados da experiência e a reflexão filosófica.
  • D) apostam, no que diz respeito às tarefas da filosofia, na primazia das ideias em relação aos objetos.
  • E) refutam-se mutuamente quanto à natureza do nosso conhecimento e são ambas recusadas por Kant.

Resolução e comentário

A – A questão envolve basicamente uma leitura do texto, onde fica bastante evidente a ocorrência de visões (posições) opostas no que diz respeito à natureza do conhecimento (racionalismo x empirismo).